Ala militar foi contra ‘discurso de ódio’ de Bolsonaro e teme reação dos governadores

Em rede nacional, presidente minimizou crise do coronavírus e contrariou orientações de autoridades de saúde.

Assessores da ala militar do presidente Jair Bolsonaro foram contra a elaboração do que chamam de “discurso de ódio” do presidente da República nesta terça-feira (24), sobre a crise do coronavírusA ideia apoiada inicialmente por essa ala, segundo o blog apurou, era um “discurso conciliatório”, de avaliação do cenário para dar uma perspectiva de respiro econômico.

A discussão a ser posta era a respeito do isolamento vertical ou horizontal — o que ocorre hoje, segundo determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de especialistas da saúde.

“Mas ele tem recebido muita coisa, de muita gente pelo WhatsApp: e aí fez aquele pronunciamento”, conta uma fonte ao blog.

“Aquele vídeo” é o pronunciamento transmitido em rede nacional, em que o presidente contraria orientações de autoridades de saúde e volta a minimizar o coronavírus. Nos bastidores do governo, à exceção do núcleo ideológico, o discurso foi classificado como “aloprado e transloucado”.

E mais: enterrou, na visão de governistas, qualquer estreitamento de diálogo com governadores — expectativa também da ala militar com a série de encontros com governadores nesta semana.

A principal preocupação neste momento é com a região sudeste: João Doria (governador de São Paulo), segundo o blog apurou, após os ataques ontem do presidente no discurso, dizendo que alguns governadores erraram em suas medidas, com exagero, se irritou e pensou em não comparecer ao encontro virtual hoje com Bolsonaro. Houve um apelo do Planalto e ele confirmou. Wilson Witzel (governador do Rio de Janeiro) também confirmou presença virtual.

No Senado, Flavio Bolsonaro chegou a avisar aos colegas, durante conversa virtual ontem, para assistir ao pronunciamento do pai. A senadora Katia Abreu disse ao blog que achou que seria uma mensagem para acalmar a nação. “Ele vai na vibe do Trump, o que é aquilo? Me disseram que ele, Flavio, estava ao lado do pai na hora da gravação”.

Sobre o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, a senadora disse que a avisaram que ele explicaria o discurso do presidente. “Eu disse: não precisa explicar, não foi em grego ou latim, a gente entendeu”.

No Palácio do Planalto, sobre pressões de parlamentares para que Mandetta deixe o cargo após o discurso, assessores do presidente afirmam que ele fica no cargo, que não tem essa saída.

Para integrantes do seu partido, o DEM, o presidente acabou pedindo “indiretamente” sua saída quando fez o pronunciamento desautorizando tudo que os técnicos da área da saúde recomendam para o momento, como uma “desmoralização”.

Mas não acreditam em demissão do ministro, num momento em que a pasta está à frente — com protagonismo — da maior pandemia dos últimos tempos.

Acreditam que o ministro vai se “adequando” ao discurso do presidente para sobreviver politicamente no cargo.

Por Andréia Sadi

Portal G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *